Tag Archive for: instrumentos tradicionais de Portugal

Instrumentos Valente

Instrumentos Valente é uma marca portuguesa de cordofones sediada em Avanca, concelho de Estarreja, distrito de Aveiro, construídos pelo violeiro Diogo Valente.

Bandolim

Bandolim Valente, modelo de luxo em ácer figurado tingido.

Tampo: abeto
Fundo e ilhargas: ácer e pau ferro
Escala: ébano dos Camarões
Braço: mogno
Sanefas: pau ferro e ácer
Roseta, forra e culatra: cocobolo, ébano exótico, pau ferro, ziricote e ácer
Marcações, cavalete e pestana: osso de vaca
Carrilhões: Rubner

Bandolim Valente

Bandolim Valente

Cavaquinho brasileiro

Cavaquinho brasileiro Valente, modelo de luxo em ébano.

Cavaquinho brasileiro Valente, modelo de luxo em ébano

Cavaquinho brasileiro Valente, modelo de luxo em ébano

Tampo: abeto
Fundo e ilhargas: ébano do Camarões
Escala e cavalete: ébano dos Camarões
Braço: Khaya com reforço de ébano
Sanefas: pau ferro e ácer
Roseta, forra e culatra: pau ferro, ébano “Tigre” dos Camarões, ácer e ébano Macassar
Marcações, pente e pestana: osso de vaca
Carrilhões: Rubner

Cavaquinho eléctrico hollowbody

Cavaquinho eléctrico hollowbody (colaboração Instrumentos Valente e Undead Guitarworks).

Tampo: abeto
Fundo: Kaya
Braço, moldura e tampas: ácer
Escala e cavalete: ébano
Encosto de braço: ébano Macassar
Pestana: osso de vaca
Carrilhões: Parrot
Pickup: Undead Guitarworks

Cavaquinho português

Cavaquinho português Valente, modelo CONCERTO em Pau Santo Brasileiro. Embutidos exclusivos em madrepérola.

Cavaquinho português Valente de concerto

Cavaquinho português Valente de concerto

Tampo: abeto Engelmann
Fundo e ilhargas: pau santo brasileiro
Escala, cavalete e pente: ébano
Braço: mogno
Sanefas: ébano e ácer
Roseta: resina e madrepérola
Forra e culatra: pau santo brasileiro e madrepérola
Marcações, pestana e prismas: osso de camelo
Carrilhões: Graphtech
Acabamento: Nitro

Cavaquinho urbano

Cavaquinho urbano Valente, baseado num Cavaquinho do séc. XIX de Joaquim da Cunha Mello & Filhos.

Tampo: cedro vermelho
Fundo, ilhargas e forra: tamarineiro
Escala e cavalete: ébano
Braço: mogno
Sanefas: ébano e sicómoro
Roseta: tamarineiro e sicómoro
Marcações e pestana: osso de vaca
Cravelhas: Graphtech
Acabamento: Nitro

Cavaquinho urbano Valente, 2021

Cavaquinho urbano Valente, 2021

Cítara

Cítara Valente, de luxo, em louro preto.

Tampo: abeto
Fundo e ilhargas: louro preto
Escala e cavalete: ébano
Braço: sappele
Sanefas: ébano e ácer
Roseta, forra e culatra: ébano “Tigre”, bocote, louro preto, ácer e sicómoro
Elipse: ébano “Tigre” e sicómoro
Pestana e pontes: osso de vaca
Acabamento: goma laca

Cítara Valente, de luxo, 2020

Cítara Valente, de luxo, 2020

Guitarra clássica

Guitarra clássica Valente, de luxo, em bocote.

Tampo: abeto
Fundo e ilhargas: bocote
Escala e cavalete: ébano dos Camarões
Braço: cedro das Honduras com reforço de carbono
Sanefas: ébano dos Camarões e ácer
Roseta, forra e culatra: bocote, cocobolo, Ébano, pau santo da Índia e ácer
Pente e pestana: osso de camelo
Carrilhões: Rubner
Acabamento: Nitro

Guitarra clássica Valente, de luxo, 2024

Guitarra clássica Valente, de luxo, 2024

Guitarrinho “oitavado”

Guitarrinho “oitavado” Valente, de luxo, de 5 ordens e em pau santo da Índia.

Tampo: abeto
Fundo e ilhargas: pau santo da Índia
Escala, cavalete e pente: ébano
Braço: Sapelle
Sanefas: ébano e ácer
Roseta e culatra: meia espinha e sicómoro
Marcações e pestana: osso de vaca
Carrilhões: Schaller
Acabamento: Nitro

Guitarrinho "oitavado" Valente

Guitarrinho “oitavado” Valente

Machete oitocentista

Machete oitocentista, gama de luxo em Pau Santo Indiano, baseado no machete n.15 do inventário do Museu Virtual Artur Pestana Andrade. O exemplar do museu não possui rótulo, mas pelas suas características poderá ser da autoria de António Quintal Junior. Diogo Valente fez algumas alterações a pedido do cliente: a largura da escala, a espessura do pente (para permitir a compensação) e o tipo de cravelhas (Wittner). Também, a pedido do cliente, encordoou o machete para afinar como um ukulele soprano. Norberto Gomes e Roberto Moniz, machetista, facultaram-lhe fotografias e medidas indispensáveis à construção do instrumento.

Tampo: abeto Engelmann
Fundo, ilhargas e forra: pau santo da Índia
Escala, cavalete e embutidos: pau santo da Índia
Braço: cedro brasileiro
Sanefas: pau santo de Índia, Acer e ébano Macassar
Roseta: sicómoro, ácer e pau santo da India
Marcações, pestana, pente e pinos: osso de vaca
Cravelhas: Wittner
Acabamento: Nitro fosco

Machete oitocentista Valente

Machete oitocentista Valente

Ukulele baixo

Ukulele baixo Valente, modelo de luxo em nogueira europeia, com tampa magnética no fundo.

Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo e ilhargas: nogueira europeia
Escala e cavalete: ébano exótico
Braço: mogno
Forra: Nogueira europeia
Roseta, junta das costas e culatra: Mogno americano, ácer e tamarineiro
Marcações, pente e pestana: osso de vaca e de camelo
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro

Ukulele baixo Valente

Ukulele baixo Valente

Viola beiroa

Viola beiroa Valente, modelo de Luxo em pau ferro.

Tampo: Abeto
Fundo e ilhargas: pau ferro
Escala e cavalete: ébano
Braço: mogno
Sanefas: ébano e ácer
Roseta, forra e culatra: pau ferro, bocote, ácer, ébano, eucalipto torrefactado e tamarineiro
Marcações, pestana e prismas: osso de camelo
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro

Viola beiroa Valente

Viola beiroa Valente

Viola de arame

Viola de arame do séc. XIX, gama intermédia em nogueira europeia, baseada em duas violas: na Viola da foto dos emigrantes portugueses a bordo do S.S. Grant, em 1893, captada por Sir Benjamin Stone, e na Viola que se encontra em Braga e que se supõe ser do início do sec. XX.
Assim como a Viola, dita toeira, que Diogo Valente construiu anteriormente, esta Viola, dita braguesa, também foi encordoada com 12 cordas, em 5 ordens, com uma média de 4,2kg de tensão longitudinal por corda.

Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo, ilhargas e forra: nogueira europeia
Escala, cavalete e embutidos: pau santo da Índia
Braço: mogno
Sanefas: pau santo de Índia
Roseta: sicómoro e ébano Macassar
Marcações e pestana: osso de vaca
Carrilhões: Graphtech
Acabamento: Nitro fosco

Viola de arame Valente

Viola de arame Valente

Viola braguesa

Viola braguesa Valente, modelo de luxo em pau santo indiano.

Tampo: abeto Engelmann
Fundo e ilhargas: pau santo da Índia
Escala, cavalete e pente compensado: ébano
Braço: Mogno
Sanefas: Ébano e sicómoro
Roseta, forra e culatra: pau ferro, pau santo da Índia, Sicómoro e eucalipto torrefactado
Marcações e pestana: osso de vaca
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro
Captação: Double

Viola braguesa Valente 2023

Viola braguesa Valente 2023

Viola campaniça

Viola campaniça Valente, gama de luxo em pau santo da Índia.
Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo e ilhargas: pau santo da Índia
Escala, cavalete e pente: ébano dos Camarões
Braço: Sapele
Sanefas: ébano dos Camarões e sicómoro
Forra e culatra: Pau Santo da Índia, Pau Ferro, eucalipto torrefactado e Sicómoro
Marcações e pestana: osso de vaca
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro

Viola campaniça Valente, 2023

Viola campaniça Valente, 2023

Viola de mão Valente

Viola de mão Valente, gama intermédia em nogueira europeia.

Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo, ilhargas e forra: nogueira europeia
Escala e cavalete: pau ferro
Braço: mogno
Sanefas: pau ferro e sicómoro
Roseta: sicómoro preto e branco
Pestana: osso de vaca
Carrilhões: Graphtech
Acabamento: Nitro

Viola de mão Valente, 2023

Viola de mão Valente, 2023

Viola Micaelense

Viola micaelense Valente, gama intermédia em Limba Negra.

Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo, ilhargas e forra: Limba Negra
Escala, cavalete e pente compensado: ébano
Braço: mogno
Sanefas e culatra: pau ferro
Embutidos: pau ferro, ébano e sicómoro
Marcações e pestana: osso de vaca
Leque: Paulo Gilvaz
Acabamento: Nitro
Captação: Double

Viola micaelense Valente, 2023

Viola micaelense Valente, 2023

Viola parlor

Viola parlor Valente, modelo de luxo em tamarineiro.
Tampo: abeto dos Cárpatos tingido
Fundo, ilhargas e forra: tamarineiro
Escala e cavalete: ébano
Braço: mogno
Sanefas: ébano e sicómoro
Roseta: Tamarineiro e sicómoro
Marcações e logótipo: osso de vaca
Pente, pestana e pinos: osso de camelo
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro

Viola parlor Valente, 2024

Viola parlor Valente, 2024

Viola toeira

Viola toeira Valente, modelo de luxo em pau santo da Índia.

Tampo: Abeto (embutidos em ébano, pau santo da Índia, padouk e madre pérola)
Fundo e ilhargas: Pau santo da Índia
Escala, cavalete e pente: ébano dos Camarões
Braço: Mogno
Sanefas: ébano dos Camarões e ácer
Roseta, forra e culatra: madre pérola, ébano e padouk
Marcações e pestana: Osso de vaca
Carrilhões: Fire & Stone

Viola toeira Valente, 2019

Viola toeira Valente, 2019

Violão

Violão Valente, gama de luxo em nogueira europeia figurada.

Nuno Prata tem uma paixão enorme por instrumentos velhinhos, em particular os que foram feitos pelos violeiros da “escola” do Porto, e pediu a Diogo Valente que fizesse um violão com essa premissa: um violão de aspecto simples e modesto, como alguns dos violões que vamos encontrando nas feiras do velho, com bons materiais e preparado para ser um instrumento de concerto. Tudo foi selecionado para parecer “do antigamente”: o aspecto do tampo, as formas do cavalete e da cabeça, os tipos de embutidos do tampo e da culatra… até foi colocada uma sanefa de ácer manchado a fingir que não era sanefa, mas sim, o rebordo do tampo.

Tampo: abeto dos Cárpatos
Fundo, ilhargas e forra: nogueira europeia figurada
Escala e cavalete: ébano
Braço: Mogno reforçado com grafite
Sanefas: ácer manchado
Embutidos do tampo: sicómoro preto e branco
Pestana e pente: osso de vaca
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro

Violão Valente, 2023

Violão Valente, 2023

Violão clássico

Violão clássico Valente, gama de luxo em pau santo da Índia.

Tampo: cedro canadiano
Fundo e ilhargas: pau santo da Índia
Escala e cavalete: ébano
Braço: Mogno com reforço de carbono
Sanefas: ébano e sicómoro
Roseta, forra e culatra: pau santo da Índia, Ácer, eucalipto torrefactado, pau ferro e sicómoro
Pente e pestana: Osso de vaca
Carrilhões: DJ
Acabamento: Nitro
Cordas: Savarez Creation Normal

Violão clássico Valente, 2024

Violão clássico Valente, 2024

Partilhe
Share on facebook
Facebook
flauta pastoril é um instrumento de sopro de formato tubular feito de cana, com três orifícios e tocada por uma só mão sendo que a outra mão toca um pequeno membranofone chamado tamboril.
[ Instrumentos musicais de Portugal ]
Partilhe
Share on facebook
Facebook
pandeireta é um instrumento de percussão híbrido formado por uma pele sobre uma armação cilíndrica com fendas atravessadas por eixos e discos metálicos na ilharga.
Pelas soalhas, situa-se no índice 11 no sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais. Pela membrana, é situa-se no índice 21, entre os tambores percutidos. É um instrumento sem intenção melódica (é de altura indefinida). Os instrumentos percutidos são postos em vibração por um golpe ou batida.
ETIQUETAS
  • Instrumentos musicais de Portugal
  • instrumentos de percussão híbridos
  • Instrumentos de percussão
  • Instrumentos começados por p
Partilhe
Share on facebook
Facebook

rabeca é um cordofone de arco muito usado ainda em Portugal, Cabo Verde e Brasil. A rabeca chuleira tem origem no Norte de Portugal, especialmente na região de Amarante, no século XVIII. Na música brasileira, a rabeca está especialmente ligada ao forró, mas é utilizada também na música erudita.

É semelhante ao violino, mas apresenta algumas diferenças no aspeto e técnica de execução. A sua origem remonta à época medieval e acredita-se que tenha influências árabes. É construída com madeira, geralmente com uma caixa de ressonância de forma achatada ou arredondada, e é composta por três ou quatro cordas de tripa ou aço. A caixa de ressonância pode ser feita de diferentes tipos de madeira, como amieiro, faia ou castanheiro. O braço do instrumento é fixo à caixa de ressonância e possui trastos (pequenas peças de madeira ou osso que permitem ao músico produzir notas em diferentes posições).

Rabeca Chuleira, Portugal

rabeca chuleira, Portugal

Enquanto no violino os músicos utilizam um arco curto e técnica de arco francês, os rabecadores utilizam um arco longo e praticam a técnica de arco perpendicular. Isso faz com que o som produzido pela rabeca seja mais rústico e característico.

A rabeca é utilizada principalmente em festas populares (festas de Santos Populares e festas religiosas), onde é comum encontrar grupos musicais que tocam músicas tradicionais portuguesas com o instrumento. 

Apesar de ser menos popular atualmente, a rabeca possui um importante papel na cultura musical portuguesa, representando o folclore e a tradição do país.

O instrumento situa-se no índice 31 do sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais (cordofones simples, compostos de cordas esticadas em um suporte, com caixa de ressonância, neste caso).

ETIQUETAS

  • Instrumentos musicais de Portugal
  • Instrumentos corda friccionada
  • Cordofones de arco
  • Instrumentos começados por r

Partilhe
Share on facebook
Facebook

reco-reco é um idiofone tradicional de raspagem que se apresenta com formas muito variadas. Uma vara de madeira mais fina raspa a parte que tem saliências, produzindo-se um timbre característico. Há reco-recos de plástico, madeira, de metal e mistos. Ele consiste em uma barra sólida ou tubo com ranhuras longitudinais na superfície. Para tocar o instrumento, utiliza-se um bastão que é friccionado nas ranhuras, produzindo um som característico.

É muito popular na música tradicional portuguesa, no folclore, no fado e na música ligeira. É tocado de forma rítmica e pode ser utilizado para marcar o ritmo da música ou para criar efeitos sonoros.

O reco-reco é utilizado em vários estilos musicais um pouco por todo o mundo. Apresenta variações no seu aspeto e material de construção, dependendo da região e do fabricante. Tradicionalmente, ele é feito de madeira, mas também podem ser encontrados modelos feitos de bambu, metal ou plástico.

Situa-se no índice 11 no sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais. É um idiofone sem intenção melódica (é de altura indefinida).
Reque, ou reco-reco, Portugal

Reque, ou reco-reco, Portugal

ETIQUETAS

  • Instrumentos tradicionais de Portugal
  • Instrumentos musicais do Brasil
  • Idiofones de raspagem
  • Instrumentos começados por r

reco-reco brasileiro https://www.youtube.com/watch?v=fGB7SR5D9pY

Partilhe
Share on facebook
Facebook

A Viola campaniça, Viola de Beja, Viola alentejana, é um cordofone dedilhado português que outrora existia um pouco por todo o Baixo Alentejo. Quase desapareceu do universo da música tradicional portuguesa mas hoje em dia há um aumento significativo do interesse pelo instrumento. É uma das violas portuguesas, com um formato mais ovalado. É um instrumento bastante utilizado na região do Alentejo, no sul de Portugal, especialmente em músicas tradicionais e folclóricas.

Natural da Aldeia da Sete (Castro Verde), Pedro Mestre tem dedicado a vida à música tradicional alentejana, desenvolvendo vários projetos nesta área enquanto cantor, tocador/construtor de Viola campaniça, instrumento que aprendeu a tocar com Manuel Bento e Francisco António.

Pedro Mestre, viola campaniça

Pedro Mestre, Viola campaniça

ETIQUETAS

  • Violas portuguesas
  • Instrumentos de corda dedilhada
  • Instrumentos do tipo alaúde

Partilhe
Share on facebook
Facebook
concertina é um aerofone dotado de fole, palheta livre e botões muito popular em Portugal, sobretudo na região norte, sendo utilizado em bailes e romarias. Tem importância no folclore nacional de Portugal e de regiões do Brasil, onde é tocado, sobretudo, no estado do Espírito Santo.
É um instrumento de sopro do grupo 422 (no sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais), um aerofone de palheta em que o músico sopra colocando a palheta em vibração.
ETIQUETAS
  • Instrumentos musicais de Portugal
  • Instrumentos começados por c
Partilhe
Share on facebook
Facebook
pinhocras (pinhocas ou pinhas) é idiofone de friccão utilizado em algumas regiões de Portugal composto por duas pinhas abertas. O executante segura cada uma em sua mão e raspa uma na outra ao ritmo da música tradicional, em geral música bailada. O instrumento situa-se no índice 13. do sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais. Nestes idiofones, o som produz-se por fricção ou raspagem.
Situa-se no índice 13. do sistema Hornbostel-Sachs de classificação de instrumentos musicais. Nestes idiofones, o som produz-se por fricção ou raspagem.
ETIQUETAS
  • Instrumentos tradicionais de Portugal
  • Idiofones de fricção
  • Instrumentos começados por p

pinhas, pinhocas ou pinhocras

Partilhe
Share on facebook
Facebook
rouxinol, também chamado passarinho, é um brinquedo musical de cerâmica em forma de pássaro com um bocal de insuflação que produz um som característico pelo borbulhar da água colocada no recipiente. Vende-se com frequência em feiras de artesanato e feiras ditas medievais. ETIQUETAS
  • Instrumentos tradicionais de Portugal
  • Brinquedos sonoros
  • Instrumentos começados por r
rouxinol, Portugal
Partilhe
Share on facebook
Facebook
passarinho, ou rouxinol, é um brinquedo musical de cerâmica em forma de pássaro e instrumento da categoria dos aerofones, com um bocal de insuflação e uma saída de ar. Produz um som característico pelo borbulhar da água colocada no recipiente. ETIQUETAS
  • Instrumentos musicais de Portugal
  • Brinquedos musicais
  • Instrumentos de sopro com água
  • Instrumentos começados por p

rouxinol em cerâmica

rouxinol em cerâmica
Partilhe
Share on facebook
Facebook